Categoria:Últimas notícias

Décima região turística “Caminhos da Fronteira” do Estado de Santa Catarina se reúne em Descanso

Décima região turística “Caminhos da Fronteira” do Estado de Santa Catarina se reúne em Descanso
Décima região turística “Caminhos da Fronteira” do Estado de Santa Catarina se reúne em Descanso

A governança da décima Região Turística “Caminhos da Fronteira” esteve reunida no dia 08 de dezembro com o objetivo de analisar e emitir parecer sobre projetos para desenvolver o turismo regional. O encontro foi realizado na Sala de Reuniões da Prefeitura Municipal de Descanso. Participaram na reunião 23 membros, representantes dos municípios de Descanso, Itapiranga, São Miguel do Oeste, Guaraciaba e Dionísio Cerqueira. Houve participação de empreendedores que atuam na área de turismo de São Miguel do Oeste, Descanso e Dionísio Cerqueira; representantes do Governo do Estado através das Secretarias Regionais de São Miguel do Oeste e Itapiranga; entidades civis organizadas através da Adeosc e Acismo e as Instituições de Ensino Superior e Pesquisa FAI Faculdades e Unoesc.

A reunião Coordenada pelo presidente da governança, Allan Kreutz, foram apresentados os resultados da elaboração dos Projetos da Capacitação do Instituto de Desenvolvimento Regional FAI – IFAI e o de sensibilização dos Empresários da Acismo. Os projetos aprovados nesta reunião foram encaminhados para aprovação nas reuniões dos Conselhos de Desenvolvimento Regional da Secretaria Regional pertencente e após, para a Secretaria de Estado de Turismo, Cultura e Esporte, através do SEITEC.

Na reunião foram amplamente discutidos demais projetos encaminhados por municípios e por entidades regionais e definiram-se critérios para análise de projetos a serem desenvolvidos no próximo ano.

Cabe salientar que nossa região possui alta potencialidade turística ainda inexplorada e cabe ao poder público, juntamente com Instituições preocupadas com o Desenvolvimento Regional fomentar as atividades turísticas da 10ª Região Turística do Estado de Santa Catarina, para preparar a região para tais investimentos.

A FAI Faculdades, através do Instituto de Desenvolvimento Regional FAI, esteve presente para participar efetivamente da preparação e implantação deste projeto, com vistas no desenvolvimento econômico e cultural que isso trará a nossa Região.

Texto de Adm. Ivanete Schneider Hahn e Eng. Agr. Nestor Luiz Breda (Governança Regional do Turismo)

IFAI assina convênio com a FAI Faculdades

No final da tarde desta quarta-feira (04/08) esteve reunida a diretoria do Instituto FAI (IFAI) com a direção da FAI Faculdades para assinatura de convênio. Conforme o presidente do IFAI, professor Simplício Meurer, o convênio prevê repasse de valor mensal para manutenção das atividades do Instituto.

O IFAI tem aprovado dois projetos com a FAPESC – Fundação de Apoio a Pesquisa Científica do Estado de Santa Catarina, indicados via Conselho de Desenvolvimento Regional, apenas aguardando a liberação dos recursos para o início das pesquisas.

Dois projetos de pesquisa do Instituto FAI são aprovados pela FAPESC

Na manhã desta sexta-feira (04/12) o Conselho de Desenvolvimento Regional de Itapiranga esteve reunido em sessão extraordinária para discussão e aprovação de projetos recomendados e recomendados com restrições, pela Chamada Pública 12/2009 da Fundação de Apoio à Pesquisa Científica e Tecnológica do Estado de SC (Fapesc). Conforme o presidente, Secretário Regional Jorge Welter, os dois projetos recomendados com restrições pela Fapesc foram devolvidos aos proponentes para que fizessem as adequações necessárias.

O primeiro projeto aprovado tem como tema a “Produção técnica-artística e cultural dos municípios da 31ª SDR de Itapiranga, como instrumento de apoio ao turismo”, tendo como proponente o professor doutor Paulino Eidt, com vínculo a gerência de Educação da 31ª SDR, e intervenientes o Sindicato dos Trabalhadores Rurais e a Associação dos Empresários de Itapiranga. Já o “Projeto de Levantamento socioeconômico nos municípios abrangidos pela 31ª SDR de Itapiranga” é proposto pelo professor mestre Simplício Meurer do Instituto FAI (IFAI) e tem como intervenientes a Associação dos Empresários de Itapiranga e o Sicoob Creditapiranga, também foi aprovado.

O projeto de “Gestão da agricultura familiar nos municípios abrangidos pela 31ª Secretaria de Estado de Desenvolvimento Regional de Itapiranga, para promoção do desenvolvimento regional”, foi elaborador pelo Instituto FAI, tendo como coordenador o professor mestre Marino Luiz Eyerkaufer, e instituições intervenientes o Sindicato dos Produtores Rurais e a Cooperativa de Crédito de Livre Admissão – Sicoob Creditapiranga, foi aprovado pelos conselheiros.

O presidente da Associação dos Empresários de Itapiranga – Assemit, Afonso Niehues, falou da necessidade de se projetar o futuro para a região. “Precisamos definir o que queremos para os próximos 10, 20 ou 30 anos”. Já o Prefeito de Tunápolis, Enoi Scherer, disse que os municípios serão parceiros na execução destes projetos, pois entende que é necessário se pensar o desenvolvimento regional de toda a região e não só de um município. O Prefeito de Santa Helena, Gilberto Giordano disse que estes projetos já deveriam ter siso elaborados a muito tempo, mas que eles vem em boa hora, pois facilitarão as ações dos gestores públicos municipais.

 

Seminário sobre uma possível construção de barragem em Itapiranga lota Igreja Matriz

Na noite desta terça e quarta-feira (29 e 30/04), na Igreja Matriz de Itapiranga, foi realizado um Seminário com uma sequência de palestras e debates sobre os possíveis impactos e contribuições da barragem para o município de Itapiranga. A iniciativa é do Núcleo de Estudos para o Desenvolvimento Regional que busca, a partir do defrontamento desta incógnita que poderia alterar substancialmente o cenário local, elucidar a população, apresentando os prós e contras de tal empreendimento. O núcleo é formado por professores da FAI Faculdades e a consultora da Associação dos Empresários de Itapiranga.

De acordo com Marino Eyerkaufer, membro do núcleo e um dos organizadores, o evento teve como objetivos: proporcionar à comunidade informações relativas aos impactos (custos) ambientais e sócio-econômicos da construção da barragem; evidenciar possíveis contribuições (benefícios) deste empreendimento para o município; e possibilitar aos moradores a oportunidade de conhecer alguns pontos positivos e negativos deste empreendimento, a fim de que possam formar uma opinião acerca do assunto.

Após a abertura do evento com apresentação dos parceiros e objetivos, na primeira noite, o ex-prefeito de Itá, Milvo Zancanaro, e o prefeito de Águas de Chapecó, Moacir Dalla Rosa, abordaram a realidade vivida com a construção das barragens nos dois municípios. Na seqüência das explanações, a comunidade pode fazer os questionamentos para cada palestrante. O MAB fez suas indagações através dos coordenadores locais, e também o sindicato através do presidente Cornélio. Autoridades locais e acadêmicos também fizeram suas considerações e questionamentos acerca do assunto.

Para a noite de quarta-feira (30), a engenheira florestal Silvia Valdez Barbosa falou sobre os “Impactos sociais, culturais e econômicos das hidrelétricas no Oeste de Santa Catarina”. Silvia é mestre em Engenharia Ambiental e atua como consultora em empresas do setor elétrico, cerâmico, agropecuário e do terceiro setor, além de coordenar estudos referentes a bacias hidrográficas e diálogos com partes interessadas. Ela buscou mostrar e evidenciar os custos sociais, culturais e econômicos entre outros, relativos ao projeto da barragem para Itapiranga.

Em seguida, o especialista em Gestão Social e Políticas Públicas, sociólogo Sadi Baron, que também assessora o Movimento dos Atingidos por Barragens no Estado, apresentou suas considerações sobre o projeto fazendo diversas indagações sobre o mesmo. Baron apresentou números sobre as barragens já construídas ou em construção no Rio Uruguai. O foco da palestra foi “Desenvolvimento e Barragens – os interesses envolvidos” onde realizou comparativos em relação as compensações que o município pode ter ou não com a barragem e os impactos que a usina poderia causar na economia local na área social e ambiental.

Após a explanação do sociólogo, o membro do MAB local, Arsélio Mossmann, fez uso da palavra para enfatizar o posicionamento do Movimento sobre a barragem de Itapiranga, que é totalmente contrário. No momento em que o evento foi aberto para os questionamentos, um representante dos atingidos da região de Catres/Mondaí, fez seus questionamentos aos palestrantes. Da mesma forma, algumas lideranças locais fizeram perguntas e considerações.

São parceiros do evento: Colégio Agrícola São José de Sede Capela; prefeitura de Itapiranga; Movimentos dos Atingidos por Barragens (MAB); FAI Faculdades de Itapiranga; Sicoob Creditapiranga; Associação dos Empresários de Itapiranga (Assemit); Sindicarnes; Sindicato dos Produtores Rurais; Sindicato dos Trabalhadores Rurais; Paróquia São Pedro Canísio; Cooper A1; Movimento de Mulheres Camponesas; Câmara de Vereadores; Secretaria de Estado de Desenvolvimento Regional; Jornal Força do Oeste, Jornal Expressão e Jornal Mensageiro do Sul; e Rádio Itapiranga.

Núcleo de Estudos promove palestras sobre impactos de barragem

Teve início na noite desta terça-feira (30), na Igreja Matriz, uma seqüência de palestras e debates sobre os possíveis impactos e contribuições da barragem para o município de Itapiranga. A iniciativa é do Núcleo de Estudos para o Desenvolvimento Regional que busca, a partir do defrontamento desta incógnita que poderia alterar substancialmente o cenário local, elucidar a população, apresentando os prós e contras de tal empreendimento.

De acordo com Marino Eyerkaufer, um dos organizadores, são objetivos do evento: proporcionar à comunidade informações relativas aos impactos (custos) ambientais e sócio-econômicos da construção da barragem; evidenciar possíveis contribuições (benefícios) deste empreendimento para o município e possibilitar aos moradores do município a oportunidade de conhecer alguns pontos positivos e negativos deste empreendimento, a fim de que possam formar uma opinião acerca do assunto.

Após a abertura do evento com apresentação dos parceiros e objetivos, o ex-prefeito de Itá, Milvo Zancanaro, e o prefeito de Águas de Chapecó, Moacir Dalla Rosa, abordaram a realidade vivida com a construção das barragens nos dois municípios. Na seqüência das explanações, a comunidade pode fazer os questionamentos para cada palestrante. O MAB fez suas indagações através dos coordenadores locais, e também o sindicato através do presidente Cornélio. Autoridades locais e acadêmicos também fizeram suas considerações e questionamentos.

Para a noite de hoje, quarta-feira (30), a engenheira florestal Silvia Valdez Barbosa vai abrir a noite falando sobre os “Impactos sociais, culturais e econômicos das hidrelétricas no Oeste de Santa Catarina”. Silvia atua como consultora em empresas do setor elétrico, cerâmico, agropecuário e do terceiro setor, além de coordenar estudos referentes a bacias hidrográficas e diálogos com partes interessadas. Ela buscará mostrar e evidenciar os custos sociais, culturais e econômicos entre outros, relativos ao projeto da barragem em Itapiranga. Em seguida, o coordenador do Movimento dos Atingidos por Barragens no Estado, Sadi Baron, fará uso da palavra a fim de colocar o posicionamento do MAB em relação ao projeto, além de dispor as informações que o Movimento possui sobre os possíveis impactos da barragem. O foco da palestra será “Energia e Desenvolvimento” realizando um comparativo em relação das compensações que o município pode ter com a barragem e os impactos que a usina poderia causar na economia local na área social e ambiental.

São parceiros do evento: Colégio Agrícola São José de Sede Capela; prefeitura de Itapiranga; Movimentos dos Atingidos por Barragens (MAB); FAI Faculdades de Itapiranga; Sicoob Creditapiranga; Associação dos Empresários de Itapiranga (Assemit); Sindicarnes; Sindicato dos Produtores Rurais; Sindicato dos Trabalhadores Rurais; Paróquia São Pedro Canísio; Cooper A1; Movimento de Mulheres Camponesas; Câmara de Vereadores; Secretaria de Estado de Desenvolvimento Regional; Jornal Força do Oeste, Jornal Expressão e Jornal Mensageiro do Sul; e Rádio Itapiranga.

Núcleo de Estudos promove palestras sobre impactos de barragem

Acontece nas noites de terça e quarta-feira desta semana, na Igreja Matriz, uma seqüência de palestras e debates sobre os possíveis impactos e contribuições da barragem para o município de Itapiranga. A iniciativa do Núcleo de Estudos de Desenvolvimento Regional busca, a partir do defrontamento desta incógnita que poderia alterar substancialmente o cenário local, elucidar a população, apresentando os prós e contras de tal empreendimento.

De acordo com Marino Eyerkaufer, um dos organizadores, são objetivos do evento: proporcionar à comunidade informações relativas aos impactos (custos) ambientais e sócio-econômicos da construção da barragem; evidenciar possíveis contribuições (benefícios) deste empreendimento para o município e possibilitar aos moradores do município a oportunidade de conhecer alguns pontos positivos e negativos deste empreendimento, a fim de que possam formar uma opinião acerca do assunto.

Na primeira noite, o prefeito de Águas de Chapecó Moacir Dalla Rosa e Milvo Zancanaro, prefeito de Itá, proferem palestras, relatando os efeitos de barragens em seus respectivos municípios. A abertura está prevista para às 19h, com encerramento às 22h.

Já na quarta-feira (30), a engenheira florestal Silvia Valdez Barbosa vai abrir a noite. Silvia atua como consultora em empresas do setor elétrico, cerâmico, agropecuário e do terceiro setor, além de coordenar estudos referentes a bacias hidrográficas e diálogos com partes interessadas. Ela buscará mostrar e evidenciar os custos sociais, culturais e econômicos entre outros, relativos ao projeto da barragem em Itapiranga. Em seguida, o coordenador do Movimento dos Atingidos por Barragens no Estado, Sadi Baron, fará uso da palavra a fim de colocar o posicionamento do MAB em relação ao projeto, além de dispor as informações que o Movimento possui sobre os possíveis impactos da barragem.